Sensibilidade

dsc_0037

Tente descobrir a grandiosidade de experimentar uma coisa com a intensidade de todos os seus sentidos. São sabores, sons, aromas, sincronias e complexidades quase indescritíveis. Cores inenarráveis, divinas.

Um alto e apurado grau de consciência em apenas ser e existir, de corpo, mente e alma.

Uma prolongação das notas das músicas, os detalhes dos acordes, um a um, na vibração que o som produz. É plenitude.

Um mágico e presente cheiro. Que brinca com as suas memórias e com seu consciente e inconsciente.

O sabor lento que atenta todas as suas papilas e as faz dançar.
Um toque, que ativa todos os receptores da pele, como se o tato fosse suficiente para despertar todos os outros sentidos humanos.

Um olhar direto e penetrante que dura até que os olhos se fechem, dura até que se olhem de dentro para fora. A partir de tudo o que habito.

Uma inspiração por vez. Expiro e me inspiro de que é nato e inato. Me inspiro de tudo que sinto. Expiro tudo o que sou.

Anúncios

Sementes, botões e flores

14910551_1331983440180021_844938210460763944_n

 

Viver é morrer todo dia, pra poder nascer de novo, mais forte e belo.
Não existe vida sem morte e não existe morte sem se ter vivido.
Tudo o que brota, uma hora vai morrer e tudo que morreu, um dia nasceu.
Mais do que nascer, é preciso viver, despertar e reinventar-se cada dia, de novas maneiras.

A vida e a morte caminham lado a lado, pra cada último suspiro, um novo respiro e RE-INSPIRAÇÃO.

Permita-se morrer pra poder renascer!

É preciso fluir

dsc_0046
Acordei como quem nada dormiu, mas em meio a processos neurológicos lentos consegui assimilar que, de fato, as horas empregadas no descanso não foram muitas.
Milhares de fantasmas me sondaram noite passada, eles me sussurravam aos ouvidos palavras que eu ansiei responder aos gritos e por contê-los tenho agora uma crise aguda de gastrite.
As dores físicas que eu sinto agora são meros reflexos do meu estado atual psicológico, minha musculatura contraída ao ponto de me diminuir dentre tanta chateação.
Eu tenho enfermos os nós da garganta que engoli a seco no momento em que me segurei para não desmoronar uma avalanche de ódio diante de você.
Eu contive cada uma das minhas tensões para manter no seu rosto o sorriso cínico e agora carrego, literalmente nas costas, o peso de cada lágrima triste que eu não quis derramar.
Não me adianta em nada a medicina formal que quer tratar um corpo que parece estar sem alma. Preciso dar vida nova aos meus sentimentos. Preciso que eles saibam que eu sei que sinto, preciso dizer pra mim mesma agora, amanhã e cada dia mais, que eu não sou obrigada a me anular pra evitar conflitos, pois os meus próprios conflitos não se anulam em mim.
Não posso me tornar escrava acorrentada do mal que eu me faço, cada vez que penso que evito maldar a vida de quem muito mal me faz.
Energia… Energia…

Acredite… Somos corpos enérgicos mas não aguentamos sobrecargas. Às vezes os choques são inevitáveis e até necessários.
Como um fio condutor, estamos levando e trazendo por nossos corpos, nossas mentes, nossas almas, uma grande quantidade de energia. É necessário saber até onde conseguimos transmitir sem sobrecarregar-nos. Desligue, desconecte, descarregue, choque, -entre em choque-, mas não espere a explosão.
Grite, liberte, fale, escreva, toque o chão, medite, descubra o seu equilíbrio, mas alivie as dores da alma, antes que elas afetem o seu corpo.
Durma bem.

Coma bem.

Faça o bem, mas faça-se bem.

Antes de permitir, se permita.

Cuidar de si não é egoísmo, e sim a maior prova de amor ao mundo.
Eu sou a pessoa que eu quero ver no outro?

Se sim… Parabéns!

Nós vamos seguir a diante sendo cada dia melhores.