Boa noite

dsc_0050

Sinto que temos dormido cada vez menos.
Menos sono, menos sonhos, menos anseios por realizações.
Menos desejo, menos vontade, menos coragem.
Pra você que acha que dormir é perda de tempo, não se engane, sonhar acordado é desejar aquilo que os olhos estão vendo, mas sonhar de olhos fechados é despertar os desejos profundos do seu coração.
Tornar consciente o inconsciente.
Vá dormir pra despertar!
Vá dormir, vá sonhar!

Anúncios

Da janela pra cá

Leila Fotos (197)
Fica aqui mais um pouco. Só mais um pouco.
Uns 5 minutos, dez anos ou o resto da vida, mas fica.
É que eu achei no seu abraço a paz que eu queria sentir no resto do mundo.
Eu descobri que todas as coisas são descartáveis.
Elas são coisas.
Mas com você eu tenho mais. Você me faz sentir.
E emoções não são coisas, não quero jogá-las de qualquer maneira no mundo.
Sinta comigo.
Me abraça só mais um pouco e fica.
Me deixa ver seus olhos adormecendo enquanto o seu sorriso se desfaz e se transforma na sua cara de paz.
Sim! Você tem uma cara de paz.
Essa que fica estampada aí, quando eu ainda não consigo entender se seus olhos estão abertos ou fechados.
E na minha dúvida, mora seu silêncio. Ou no seu silêncio mora a minha dúvida. E eu duvido me encantando.
Deixa a vida continuar seguindo do lado de fora da janela, mas hoje, fica! Continuar lendo

A garota do tempo

10152764_629539670447284_1939043280_n

Meu último texto falava de sol, lua, noite e tempo. Acabei por relembrar outra parte da minha vida.

Desde criança eu tive fascinação pelo clima. Lembro-me que aos 7 anos de idade ganhei um complexo livro sobre meteorologia e passei a desfilar com ele para cima e para baixo, toda orgulhosa de conhecer as condições climáticas, distinguir  o nome dos aparelhos usados para medir o vento, a chuva e etc e tal. Cheguei a cogitar a ideia de trabalhar com meteorologia.
Bem pouco depois a ideia fixa de ser jornalista me pegou e nunca mais me abandonou. De fato, nunca me tornei meteorologista e nem jornalista.

Toda vez que assisto o noticiário me interessa muito saber a previsão do tempo. Atenta, eu sempre fui daquelas que alerta: “Leve o casaco que hoje vai fazer frio”, ou então “Cuidado com a chuva”…
Já fui motivo de piada, mas ainda hoje sei o nome da garota do tempo de cada noticiário. E elas estão cada dia mais interessantes, soltam piadas, dão suas opiniões pessoais sobre o clima, exalam trocadilhos e até sugerem que vinho e fondue são a pedida para o inverno gaúcho. Só faltam sugerir que não fiquem solteiros em São Joaquim e tirem as camisas no Rio de Janeiro. Eu gosto delas.

Na minha adolescência fui viver em Brasília e a curiosidade com o tempo virou paixão pelo céu, durante um bom período me tornei aquela que sempre tinha uma câmera na mochila e todos os dias registrava o céu da cidade, o pôr-do-sol sempre tinha várias cores. Tive um grande amigo que foi meu companheiro em muitos fins de tarde e conversávamos por horas, deitados na grama e olhando para o céu. Em seguida, entrei na faculdade de administração, que também não concluí, mas tive uma colega de curso que trabalhava na ANAC e justamente com a bendita da meteorologia e em algum seminário da faculdade ela falou de sua profissão e me explicou o que era CAVOK e graças a ela também, eu até hoje sei diferenciar uma cumulus nimbus de uma outra nuvem qualquer. Obrigada Ludmila…

A raiz de toda essa curiosidade pode ser o fato de acreditar que essa seja uma forma de prever o futuro, de saber o que esperar do amanhã, talvez alguma necessidade de segurança dentro da incerteza que é a vida. Se não somos capazes de ver a vida amanhã, saibamos pelo menos a cor do céu para enfrentá-la.

Pode ser que seja um jeito de fazer analogia com a minha vida. No fundo  no fundo eu seja a garota do tempo que alguns dias queira anunciar que está tudo ensolarado e outros dias as nuvens carregadas vão aparecer. Tão passível de dias nublados e com possibilidades de pancadas de chuva, ou então de tempo bonito sem nenhuma nuvem e noite estrelada…

Há a mulher de fases, porque eu não seria a garota do tempo? Talvez seja…

Eu ainda sairei por aí preocupada em informar que os casacos deveriam estar nas mochilas, ou que mais tarde irá chover. E me informar se o final de semana será de lindo sol, mesmo que eu não vá a praia, ou eu me aborreça se terá muita chuva e vento, mesmo que eu também não tivesse plano algum. Só por saber mesmo.

Eu sou a garota do tempo… Do tempo que me pertence.

Um conto que te conto

Ela acordou no meio da noite, mas ainda tinha sono e sentiu frio e vazio.
Ouvia do lado de fora o som que fazia o vento e entendeu que logo a tempestade chegaria.
Esperou e inspirou como quem se prepara para atirar-se ao precipício,
como que pensa no que não tem a perder,
como quem não tem vontade de olhar para trás.

Ela caminhou até a sala, pegou um cigarro na bolsa, acendeu, sentou e contemplou a sombra que a luz do lado de fora da janela fazia no chão enquanto fumava.

Não lhe restava muito a fazer a não ser pensar e esperar que o dia amanhecesse. Compartilhava suas ideias com o barulho de tic-tac do velho relógio e com a marcação de tempo que suas unhas faziam sobre a mesa do telefone.
E enquanto marcava o tempo, o tempo deixava nela marcas.
Quando viu o sol raiar, botou o rosto a mostra, ainda com suas olheiras enormes e seu gosto de café amargo na boca, ela olhava as faces, ainda sonolentas e enxergava que no meio de tanta distração era possível passar despercebida.

Ela se misturou a tantos outros apáticos zumbis que cumprem sua missão rotineira de não serem nada mais além do que personagens secundários das suas mórbidas vidas. E ela seguiu o fluxo, perdendo a oportunidade de se transformar na mensageira e transformou-se apenas em mais um captadora da mensagem e para isso a única coisa a fazer é não fazer nada.

Fazer nada é mais fácil e ela preferiu o que era fácil!

Imagem