Nova estação

20140515-215554.jpg

Quando paro pra pensar me pergunto se tudo que eu escrevo não é melancólico, nostálgico e saudoso demais e sempre acabo chegando a conclusão de que é sim! Devo ser um tanto quanto chata, repetitiva e quem sabe até melosa demais…

Fui rever os meus motivos para me repetir tanto na explanação dos mesmos sentimentos e descobri…

…Eu me sinto extremamente feliz por sentir saudade e não é algo que me faça mal, ao contrário, me faz muito bem! Eu seria incapaz de sofrer por sentir saudade e seria incapaz de sentir saudade de algo que tenha sido ruim e sem proveito. Sentir saudade é bom, só o que é bom ou deixa uma boa lição é capaz de marcar a vida o suficiente pra merecer ser revivido em memórias, pelo menos nas minhas…

Guardo com orgulho as boas histórias que vivi, que me contaram, que li, que assisti e até das que eu sonho viver ainda.

Viver de saudade não! Relembrar com alegria sim!

Dia desses eu li uma frase de um escritor em que ele dizia que estava escrevendo pouco por estar feliz e gente feliz não escreve muito, se expressa mais por imagens pois elas dizem mais que palavras…
Pode ser que sim… Talvez eu também esteja escrevendo menos e postando mais fotos em uma rede social… Mas não vim aqui agora escrever por estar triste… Eu venho aqui escrever porque me deu saudade e a saudade me inspira.

A lembrança é passageira, assim como a vida… Mas a lembrança vai e vem como os passageiros de um trem pra qualquer destino… Mas a vida não… A vida é uma só… Ela não vai e vem… Ela só vai, o que vem são as coisas novas, as pessoas novas, como os passageiros que chegam pra conhecer a nova estação…

As lembranças são as viagens… Que acontecem, mas que não duram para sempre, pois haverá sempre novas estações a serem visitadas nessa vida…

Então eu fui…
Fui lá conhecer…

Até a próxima estação da saudade… Te vejo por lá!

Anúncios

A Lógica da vida ou a Bio Lógica

Imagem

Todo mundo fala sobre o equilíbrio, a necessidade da temperança em todas as coisas, o ponto médio, o meio termo, a medida. A gente expressa de mil formas e com mil expressões, usamos e repetimos sempre a mesma coisa, mas nem sempre nos damos conta dessa medida real.

A vida tem uma lógica com um sentido tão comum quanto a fisiologia…
Há momentos de picos de êxtase, muitas emoções, muitas alegrias, muitos sorrisos, muitas festas, muita coisa boa. Muita coisa que é muita… Nesse momento todo o combustível é queimado com mais velocidade.
Há outros momentos em que tudo desacelera, tudo fica tedioso, chato, sem novidade, massante, rotineiro. O ritmo fica tão lento que parece que o tempo passa muito devagar e os momentos são tortuosos. É exatamente nesses momentos que se explica a ligação com a fisiologia… Como no metabolismo, onde quando o corpo entende que você precisa de reservas, ele poupa, nessas horas as boas memórias são exatamente assim.  Você precisa se lembrar das coisas boas que já aconteceram pra que possa ser impulsionado a superar os momentos difíceis.
Boas memórias são como as reservas que te suprem as necessidades nos momentos de crise, relembrar que tudo nem sempre foi tão triste, tão ruim. É importante saber que você, a mesma pessoa entediada de agora, já esteve na companhia de pessoas muito boas, em lugares fantásticos e que essa também é parte da história da sua vida e que foi maravilhoso poder viver e construir tudo isso.

Toda fuga de rotina só é boa se houver uma rotina…
Tudo que é fenomenal, maravilhoso, incrível, fantástico e todos os outros adjetivos só tem essa qualificação se existir o comum logo ao lado de cada um deles. A partir do momento em que a vida se torna só o SUPER, o super vira o comum e o comum vira o chato e aí deixa de existir.

É preciso uma pitada de sofrimento para humanizar a vida, só a felicidade é capaz de te desligar do mundo real e te fazer perder a capacidade de desfrutar do que é bom.
Os momentos não tão bons podem ser a incubadora de outros grandes feitos… Quem sabe não é a partir daí que um certo click acontece para iniciar um outro renascimento, mudando a fase, começando outro ciclo.

Que você entenda melhor o seu “metabolismo vital” e que saiba usufruir dos seus momentos bons e ruins. Que aproveite cada um deles e que se sinta feliz por ter a capacidade de viver tanta coisa.
Construa sempre coisas boas a partir de qualquer experiência e conte sempre com as pessoas boas e as que te fizeram aprender algo e também as que você teve a felicidade de encontrar na vida. Conte com elas ao seu lado ou nas suas memórias, tudo sempre será útil!

 

 

 

ao meu melhor amigo com carinho.