Eu sou o sucesso de um time

Tenho passado por um processo de transição imenso. Atribuí muita coisa ao meu lindo retorno de Saturno, amadurecimentos, novas buscas, coisas que estou deixando para trás.

Eu percebi que uma ciclo está se encerrando e outro começando na minha vida. Por ser uma pessoa muito pé no chão, tenho sempre um pouco de dificuldade de lidar com esses processos de transplantação, de mover as minhas raízes que estão crescendo, para um vaso ainda maior, onde eu vá crescer para cima, e possa dar cada vez mais flores e frutos.

Tive uns dias de olhar muito para dentro, tentar silenciar e entender, refletir sobre tudo o que está acontecendo e tudo o que precisa acontecer. Tive que buscar coragem, força e principalmente agir.

E as coisas estão acontecendo, os resultados estão aparecendo, as reações das ações estão aí e quanto mais coisas acontecem, mais coisas eu penso sobre tudo isso.

Tenho me dado conta que sucesso está muito relacionado à pessoas, pois hoje, mais do que nunca, entendo que ninguém vive sozinho. Somos seres sociais e que a escolha dessas pessoas que nos cercam, influência nas experiências que vamos viver e o que com elas vamos aprender.

Tenho aprendido a aprender com todo mundo que está ao meu redor, mas também fiz a escolha de selecionar melhor as minhas parcerias para as diversas áreas da vida.

Tenho entendido cada vez mais a diferença entre o grupo e o time, e como capitã da minha vida, tenho trazido para o meu lado pessoas incríveis que têm fortalecido muito o meu jogo na vida. De mãos dadas a gente tem entrado em campo para buscar um objetivo comum, entendendo e aceitando o papel de cada um.

Fortalecer uns aos outros, apoiar, ouvir, acreditar, questionar, trocar conhecimentos, incentivar, fazer feliz e ser feliz. Doando amor, em qualquer gesto.

Com sorriso, suor, lágrimas, mais suor, ideias, planejamentos, criações, tenho me orgulhado muito do meu timão e dos nossos resultados.

Eu não sou o que eu sou sozinha e como se diz na linda filosofia Ubuntu, EU SOU PORQUE NÓS SOMOS.

Gratidão!31698867_1692714814129759_1697993678133395456_n

Anúncios

5 anos e 2 malas

12096255_910820112319237_4545922772893398533_n
8 de agosto, data de mais um rito de passagem na minha vida. Lembro-me bem, que 5 anos atrás, eu resumi minha vida em duas malinhas, peguei um táxi e fui pro aeroporto sozinha. Não teve abraço, não teve olhar pra trás… Eu me lembro de sentar na poltrona do avião e chorar como uma maluca, sem ter certeza de absolutamente nada que aconteceria dali pra frente, mas mesmo assim eu não desisti.

Por muito tempo eu chorei e choro até hoje. Durante esses últimos 5 anos, as minhas duas malinhas já não são mais suficientes pra carregar toda a minha bagagem. Sou grata por tudo o que passei pra chegar até aqui. Eu sei que é apenas o início de um caminho, mas nada teria acontecido sem o primeiro e dolorido passo. Muita gente, querendo me proteger, sugeriu que eu desistisse, mas eu aprendi que sou mais forte do que eu pensei que poderia ser. Nem sempre a coragem é de lutar, mas a resistência pra tomar umas porradas é grande.

Eu sou grata pelos amigos que eu conheci até aqui, pelos próximos e pelos passageiros. Cada pessoa que passou pela minha vida é responsável pelo que eu sou. Eu sou grata pelas palavras, pelos abraços, pelos sorrisos, pelas derrotas, pelo sofrimento, pelo medo, sou grata por todas as dificuldades que tive e ainda tenho, porque eu sei que elas maturam o sabor das minhas alegrais, das vitórias que chegam de mansinho, mas eu não deixo de saborear nada.

Que meus próximos 5 ou 50 anos, continuem sendo sempre de muito aprendizado, de otimismo, de sorrisos, mesmo que em meio à lágrimas, pois foi assim que eu aprendi a ser. Ser forte, ser sorridente, ser grata, independente da conduta dos outros, eu vou sempre acreditar na beleza que há nas pessoas, na bondade que pode existir no mundo, acreditar que o amor é capaz de ultrapassar barreiras inimagináveis. Gratidão!

A Vida Edifício

 
 

Eram três andares…

No primeiro deles, um casal de idosos. Ela já debilitada e nada fácil, vive sob os cuidados dele, que apesar da idade se desdobra.

No andar do meio, um casal com um bebê, jovens pais de um garoto lindo e travesso que aprendem com o dia a dia as dores e as delícias da vida de pais.

No terceiro andar, uma mãe e uma adolescente que tentam manter um diálogo entre seus planetas.

Pela manhã… No primeiro andar ele prepara o banho dela, enquanto a carrega no colo, orientando como ela deve ou não agir. 

No segundo andar, um deles prepara o banho dele, enquanto o outro com está ele no colo, esperando que ele também se comporte.

No terceiro andar, ela se prepara para o banho, enquanto espera que ela saia do chuveiro e aprenda como agir.

Ele grita com ela no primeiro andar, por não o esperar e levantar sem apoio.

Eles gritam com ele no segundo andar, por ele conseguir se levantar sem apoio.

No terceiro andar… Elas gritam…

No primeiro andar, ele a senta na mesa e serve o almoço a ela, assoprando pra que ela não se queime.

No segundo andar, eles servem o almoço para ele com todo cuidado para que ele experimente tudo e vá até o final.

No terceiro andar, ela espera o retorno da escola para servir o almoço e sentar-se com ela.

Há movimentos da vida em cima, no meio e embaixo, com prazos pra lá e pra cá. 

No primeiro andar, logo se ouvirá menos barulho e talvez ele e ela já não serão mais dois. No segundo andar, se ouvirão mais passos, mais vozes, mais risos, mais gritos, mais musicas e palmas e logo eles serão completos três. No terceiro andar, os planetas ainda se desalinham, até que um dia um deles descobre sua órbita é parte em busca da sua jornada.

Com o tempo todos os andares mudarão de ritmo, o que era cheio vai ficar mais vazio, uma hora todos se vão, para seguir seus caminhos e aí não são mais gritos de euforia, de discussão ou de orientação que irão dizer mais nada. Quando tudo encontrar seu tempo, vai falar mais o silêncio, de um olhar, de um abraço ou de saudade, mas não precisará mais barulho…

É nessa hora que os três andares não se diferenciam, porque a vida é questão de tempo e de tempos em tempos nos descobrimos outros, com nossos barulhos externos e internos aprendemos que a vida vai nos mudar de andar e a casa que eu habitei hoje, vai comigo pra onde eu for amanhã. 

Um edifício cheio de vidas.

A mulher e a menina

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/26d/18689737/files/2015/01/img_8008.jpg

Como cresceu!
Aprendeu a sentar, a andar, a falar.
Aprendeu a dizer o que quer, o que não quer.
Parece tão forte e determinada, menos quando pede colo com os olhos cheios de lágrimas.
Não quer dormir, mas os olhos se queixam e insistem em pesar.
Deitada se vira de canto em canto e quando se acalma… Sou eu que me encanto.
Me enquadro e te emolduro pra tornar eterno cada momento.
E se falta por um segundo você aqui parece que fui eu quem deixou de existir.

Me misturo sem saber onde começa você e termino eu.
De passo a passo entre saltos e tropeços.
Eu seguro a sua mão quando me levanto e quando você cai.
Tão circunstancial presença ou ausência.
É sincera a dúvida que eu vivo todo dia. Não sei se é a mulher a mãe da menina ou se é a menina a mãe dessa mulher.

Todos os MEUS dias!!!

Chega uma época em que é muito bom poder olhar para trás…
Mesmo que você não tenha chegado onde queria, é bom olhar o que você fez e ficar feliz
pelas pessoas que conheceu, os lugares que frequentou, as horas de conversa…

Chega uma época de sentir orgulho, mesmo sem ter feito tudo…
Ver a felicidade das pessoas que você gosta e ficar feliz por elas
com elas e para elas…Isto também é estar feliz de verdade!

Chega uma época em que não querer tudo é importante!
Que é tão bom, mas tão bom comemorar o que se tem
que pensar no que não se tem fica pra segundo, terceiro ou quarto plano!

Acho que chegou a época em que eu não cheguei no fim da estrada, mas consegui
ver que não tem ninguém lá…
O importante é estar no caminho, percorrê-lo, conhecê-lo, vivê-lo e trilhá-lo…

Um caminho, duas estradas, várias vias… Uma vida inteira pela frente…
Meus olhos estão brilhando em cada conquista…
Minha cabeça está pensando no próximo desafio…
Meus pés estão prontos para andar um pouco mais…

Um tanto menos cru, mas ainda não 100% maduro!

Viver bem a vida, porque todos os dias, são os meus dias…