As histórias que escrevemos

WhatsApp Image 2017-10-16 at 21.35.15

Eu estava aqui pensando sozinha essa hora da noite, sentada com os pés sobre o banco, olhando para os móveis da sala, analisando aquilo que estou cansada de enxergar e conhecer. E é dentro dessa mesmice que eu me encontro com você.

Hoje eu te reconheci no cheiro de um incenso, foi estranho e lindo. Eu pensei um outro “talvez“, um “e se‘, até me convenci de um “nunca vai ser“.

Depois eu parei pra escrever. tentando não esquecer, que as tantas histórias que escrevemos, entre tantas novidades, podem desaparecer. E eu penso nos textos que eu vomito pro mundo, tornando um pensamento livre em um prisioneiro das minhas palavras e eu te prendo aqui de novo, numa história escrita nova. E na escravidão da minha lembrança, eu me liberto na minha palavra. Aquela que raramente eu releio ou revivo, mas que de algum modo eu sei da existência, afinal, nasceu de mim, já foi um pedaço meu.

Cada vez que você renasce nos meus pensamentos, eu te vivo, te sorrio, eu te perco, você morre e eu volto a te enterrar com pontos finais.
Cada vez eu te deixo a lembrança que das histórias que a gente imagina na vida, nenhuma surpreende mais do que a vida que a gente segue escrevendo com histórias.
Anúncios

Um, dois e mais alguns

Uma quarta-feira à noite e poucos planos
um modo de te encontrar em algum lugar
se arruma que estou chegando.

Dois instantes pra fechar a janela
outro para pegar o elevador
um aceno que para um táxi.

Três curvas à direita e outra à esquerda
algumas luzes apagadas no túnel
mais alguns passos pra tocar o interfone.

Quatro e meia da manhã
preciso voltar antes do sol sair
fica, você disse.

Cinco segundos e parei de pensar
um sorriso e um afago em seu rosto
levanto e saio andando.

Seis botões pra fechar a roupa, a bolsa e o sapato
dois sorrisos pra selar uma despedida
saio pelo corredor.

Uma carta que você não vai ler

captura-de-tela-inteira-13022017-200302

Tem um pouco do seu olhar morando no brilho dos olhos de alguém que você nunca conheceu.
Tem um pouco do toque suave das suas mãos no abraço de algum amigo.
Tem o jeito do seu sorriso no meu sorriso pro espelho.

Há dias em que tenho a ilusão, outros não.
Há dias que você está vivo, mas há outros em que lembro que você morreu faz tempo.
Há dias que eu não penso.

Existe alguma música que só consigo escutar com você, de ouvidos bem atentos e olhos bem fechados. Eu quase consigo sentir o toque da sua mão gordinha, como quando eu tinha um medo e você me apoiava.
Tem muito de você em mim, coisas que eu não tive tempo de conhecer, mas eu ouvi dizer que são heranças suas.

Nós já não mais podemos nos falar, mas eu sei que de algum modo a gente se comunica. São meus pensamentos, minhas memórias e as projeções de coisas que nunca irão se tornar reais. Já pensei em coisas que poderíamos fazer hoje, como um almoço durante a semana, uma viagem de férias, uma passeio em qualquer lugar, um abraço.

Eu penso se seríamos bons amigos, eu acredito que sim. Penso que iria te visitar ou cuidar de você quando estivesse doente, nós comemoraríamos o seu aniversário no dia das crianças. Eu penso que seríamos grandes parceiros.

Hoje eu não posso ter nenhuma dessas certezas. Eu guardo os meus pensamentos algumas vezes ou, como hoje, eu escrevo. Quando eu leio em voz alta, parece que você poderia me ouvir. Da minha maneira eu te conto o que eu penso e como eu me sinto. Eu queria que você tivesse me contado o que você pensava e principalmente o que você sentia, poderia ter contato para qualquer outra pessoa.

Talvez, se você tivesse falado, hoje eu não iria dizer que já faz 15 anos que você se foi. 

Eu torço para que ninguém  mais cale os sentimentos, para não calar a vida antes do tempo. Que se possa viver e conviver com  todo e tudo o que ainda vem. Que se entenda que mesmo com a dor, a vida ainda pode ter uma razão de ser. Que não se pense em viver apenas nas poucas memórias e muitas projeções da cabeça de quem ficou, mas escolher viver para fazer acontecer, mesmo que seja um curto almoço num dia qualquer da semana.

Essa era uma carta, uma postagem, uma mensagem… Algo que você não vai ler, mas que alguém vai, alguém que ainda está por aqui, como há 15 anos você esteve. Essa é uma carta pra dizer que eu tenho aqui os meus ouvidos para ouvir, os meus braços para abraçar, meu colo para alguém que se sente como você se sentiu possa usar.

Essa é uma carta pra dizer que eu não quero ver ninguém desistindo. 

Eu ia postar no dia 26, mas quando se trata de viver, todo tempo é precioso.

Boa noite

dsc_0050

Sinto que temos dormido cada vez menos.
Menos sono, menos sonhos, menos anseios por realizações.
Menos desejo, menos vontade, menos coragem.
Pra você que acha que dormir é perda de tempo, não se engane, sonhar acordado é desejar aquilo que os olhos estão vendo, mas sonhar de olhos fechados é despertar os desejos profundos do seu coração.
Tornar consciente o inconsciente.
Vá dormir pra despertar!
Vá dormir, vá sonhar!

ALERTA DE VÍRUS CONTAGIOSO!

dsc_0748

Hoje voltando do trabalho, com minha filha, peguei o metrô e ela sentou-se no meu colo. Duas estações depois e o metrô lotado, brincávamos de uma brincadeira boba, que implicava em nossas mãos tentar se alcançar com mais pressa. Em poucos minutos ela gargalhava em alto som, e pouco a pouco vi as faces das pessoas contagiadas com seu riso. Mesmo numa tarde de sexta-feira chuvosa, fria, cansada e apertada.

Ali eu percebi que felicidade é contagiosa, vinda de um sorriso frouxo de criança, mais viral ainda. Já tentaram me convencer do contrário, que a felicidade a gente esconde, a gente não conta, não espalha, não publica. Quem foi que inventou isso? Eu hein! O ódio, a raiva, a discórdia, o preconceito vocês querem sair por aí espalhando, mas a felicidade tem que guardar pra gente, tem que ser segredo, tem que botar no baú.

Eu tô falando de ser feliz, mas de verdade, de sentir aqui dentro do coração aquela leveza, de não se aguentar, de deixar escapar pela boca mesmo, de gargalhar, abraçar, de querer ajudar alguém, fazer o bem.

Eu tô falando de realização, de momentos que a gente tem pra se apegar nas horas em que tudo realmente parece estar ficando meio nublado. De colorir de risos, de brilho nos olhos.

Eu quero falar mais dessas palavras boas, que vão fazer bem ao seu coração, que vão despertar em você o desejo de logo ali na frente, fazer alguém ser feliz também.

Vamos ter crises coletivas de gargalhadas idiotas, é, deixe que seja idiota, qual o problema? Ri de mim, mas ri comigo.

Vamos mudar esse discurso e parar de achar que só o sofrimento, a insatisfação e a dor devem ocupar os lugares públicos. Vamos viralizar a alegria a partir de hoje, de agora. Sinta, seja e faça alguém sentir.

E não sinta inveja da alegria do outro, sinta nela a inspiração para ser feliz também. Veja na atitude feliz do outro, uma possibilidade de encontrar o seu caminho, o seu destino feliz.

É nossa vocação, a gente sabia disso lá atrás, a criança que gargalha com a mão no metrô, ainda mora dentro de você. Leve-a para brincar, não é difícil.

Se isso for doença, dá licença, mas eu quero me contagiar!

Eu te espero aqui

                                                      DSC_0130

Eu achei que eu conseguiria, achei que era forte o suficiente, achei que tudo na vida fazia parte de um processo, e que as coisas têm que ser apenas normais. Mas eu estava errada, em todas as coisas, e principalmente em pensar que eu estava pronta.

Eu não quero e não posso me despedir de você. Não agora, não assim. Eu ainda tenho muito o que aprender e é você que tem a missão de me ensinar. Então fique comigo, perdoe o meu egoísmo, mas compreenda o meu amor.

O mundo anda tão insensível e eu quero só poder sentir um pouco mais do seu abraço. Não se vá agora. Deixe mais do seu beijo com gosto de café, da sua voz cansada que sente alegria com o que é simples. Fica pra mais uma refeição. Eu quero ouvir o barulho que a rede faz enquanto você se balança, eu quero ver seu rosto saudoso contando coisas de outrora.

Eu já sinto saudade agora, eu já sinto medo agora, porque ainda vai existir um mundo depois que você não estiver mais aqui, mas eu tenho certeza de que ele já teria sido muito melhor. Então, luta um pouco mais, eu sei que você se sente cansada, mas não desista.

A primavera está chegando, você vai gostar de ver suas sementes florescer. Vem ver comigo, mais um pôr-do-sol, mais uma tarde de chuva, mais um dia de pescaria.

Estou aqui, do outro lado dessa porta, esperando você voltar caminhando, pra me abraçar e ir comigo.

A Vida Edifício

 
 

Eram três andares…

No primeiro deles, um casal de idosos. Ela já debilitada e nada fácil, vive sob os cuidados dele, que apesar da idade se desdobra.

No andar do meio, um casal com um bebê, jovens pais de um garoto lindo e travesso que aprendem com o dia a dia as dores e as delícias da vida de pais.

No terceiro andar, uma mãe e uma adolescente que tentam manter um diálogo entre seus planetas.

Pela manhã… No primeiro andar ele prepara o banho dela, enquanto a carrega no colo, orientando como ela deve ou não agir. 

No segundo andar, um deles prepara o banho dele, enquanto o outro com está ele no colo, esperando que ele também se comporte.

No terceiro andar, ela se prepara para o banho, enquanto espera que ela saia do chuveiro e aprenda como agir.

Ele grita com ela no primeiro andar, por não o esperar e levantar sem apoio.

Eles gritam com ele no segundo andar, por ele conseguir se levantar sem apoio.

No terceiro andar… Elas gritam…

No primeiro andar, ele a senta na mesa e serve o almoço a ela, assoprando pra que ela não se queime.

No segundo andar, eles servem o almoço para ele com todo cuidado para que ele experimente tudo e vá até o final.

No terceiro andar, ela espera o retorno da escola para servir o almoço e sentar-se com ela.

Há movimentos da vida em cima, no meio e embaixo, com prazos pra lá e pra cá. 

No primeiro andar, logo se ouvirá menos barulho e talvez ele e ela já não serão mais dois. No segundo andar, se ouvirão mais passos, mais vozes, mais risos, mais gritos, mais musicas e palmas e logo eles serão completos três. No terceiro andar, os planetas ainda se desalinham, até que um dia um deles descobre sua órbita é parte em busca da sua jornada.

Com o tempo todos os andares mudarão de ritmo, o que era cheio vai ficar mais vazio, uma hora todos se vão, para seguir seus caminhos e aí não são mais gritos de euforia, de discussão ou de orientação que irão dizer mais nada. Quando tudo encontrar seu tempo, vai falar mais o silêncio, de um olhar, de um abraço ou de saudade, mas não precisará mais barulho…

É nessa hora que os três andares não se diferenciam, porque a vida é questão de tempo e de tempos em tempos nos descobrimos outros, com nossos barulhos externos e internos aprendemos que a vida vai nos mudar de andar e a casa que eu habitei hoje, vai comigo pra onde eu for amanhã. 

Um edifício cheio de vidas.

#Obrigada – Jaqueline

O que define uma família?

Quais parâmetros podem medir se alguém é de fato parte tão importante da minha vida?
Genética? Desenho de árvore genealógica? Um exame?
Jaqueline, a Jaque. Fala baixinho, ri alto e abraça forte.
Eu ainda vou contar a história de muitos anjos, mas começo por ela, que sempre me emociona.
Eu não sei se eu enviei um convite, mas sei que ela aceitou fazer parte da minha. Muitas vezes ela não está lá, mas divide comigo e me faz ter fé na vida de novo.
Me faz sentir família, com abraço de mãe, colo de amiga e gargalhada de cúmplice. E eu nunca entendo quando ela tenta me dizer obrigada por algo, pois eu não conseguiria jamais retribuir a tanto. Poderia narrar muitas coisas, mas um dia ao contar de um problema meu para Jaque, ela me olhou nos olhos chorando e me perguntando Porquê? Porquê tanto sofrimento?
E eu chorei, não pelo que eu vivia, mas porque naquele momento ela fez eu sentir que não merecia sofrer, mas que eu merecia ter pessoas na minha vida como ela e quando alguém no mundo aceita dividir com você aquilo que é seu, o seu peso se torna mais leve e mesmo a sua felicidade se torna mais plena.
É não estar sozinho.
Escolha!
É isso que define família. É escolher dividir. Dividir é levar e é trazer. É receber e também oferecer. Partilha.
Jaque, obrigada pela sua escolha, não só comigo, mas pelas escolhas que você faz da sua vida e pelo que elas fazem com você.
Você me faz acreditar em muitas coisas boas.
Você me diz que eu sou jovem, é que eu vivo esquecendo, mas me lembro quando te vejo.
Você me faz ver que quem está certo não precisa falar mais alto e nem por último.
Você me faz ver que nem sempre que gestou um filho é que a mãe.
Me faz entender respeito. Quanto mais se dá mais se tem.
Valor de uma amizade é ter uma amizade que não tem preço.
Muito obrigada Jaque. Obrigada pelo que você é e pelas outras 4 pessoas maravilhosas que você trouxe pra minha vida!
Amo vocês!

Da janela pra cá

Leila Fotos (197)
Fica aqui mais um pouco. Só mais um pouco.
Uns 5 minutos, dez anos ou o resto da vida, mas fica.
É que eu achei no seu abraço a paz que eu queria sentir no resto do mundo.
Eu descobri que todas as coisas são descartáveis.
Elas são coisas.
Mas com você eu tenho mais. Você me faz sentir.
E emoções não são coisas, não quero jogá-las de qualquer maneira no mundo.
Sinta comigo.
Me abraça só mais um pouco e fica.
Me deixa ver seus olhos adormecendo enquanto o seu sorriso se desfaz e se transforma na sua cara de paz.
Sim! Você tem uma cara de paz.
Essa que fica estampada aí, quando eu ainda não consigo entender se seus olhos estão abertos ou fechados.
E na minha dúvida, mora seu silêncio. Ou no seu silêncio mora a minha dúvida. E eu duvido me encantando.
Deixa a vida continuar seguindo do lado de fora da janela, mas hoje, fica! Continuar lendo

Efeito Colateral 

Quando eu me prescrevi você, esqueci de dizer a mim mesma sobre os seus efeitos colaterais.

Eu não me contei que você causava arrepios, suor, delírios e dependência.

Eu esqueci de dizer que você poderia se tornar um vício.

E abstinência causa água na boca e visões quase reais.

Eu me contei que você era remédio, mas omiti que o abuso te transforma em meu veneno e eu abusei. Ah! Como eu abusei!

E agora é certo que vivo num mundo paralelo onde te procuro em bocas e becos.

Mas não se encontra fácil a versão mais pura desse sabor intenso.

E então… Água na boca…

E aí te encontro… Arrepios, suspiros, suor e vários delírios e antes que eu perceba… Já me encontram completamente alucinada e quando me dou conta, já não quero mais nada. E eu volto, não me trato.

E eu me vendo, sem me ver.

Eu me vendo sem te ver.

Eu me vendo te procurando.

Eu me vendo, te compro!

Eu – Meu

 

Obrigada Anitta

PB-00191

*Fotógrafa: Bella Tozini – Modelo Thais Barbeiro


Anitta é uma linda mulher, muito linda.
E hoje Anitta me disse ao se despedir, já saindo em direção a porta e com um sorriso no rosto que o importante é viver sempre!

Amanhã Anitta entra na segunda fase da quimioterapia, que levou seus cabelos, deixou sua saúde frágil, mas de maneira alguma tirou a sua vontade de viver
Eu não sou sua amiga, pra falar a verdade eu a conheço bem pouco, apenas de idas e vindas pelos corredores do prédio que trabalho, das poucas vindas dela na minha sala para uma hora ou outra de conversas e risadas. Sua extrema gentileza sempre me chamou atenção, a gente tem aquele santinho que bate com o outro. Gosto de gente simpática!

Amanhã Anitta entra na segunda fase da quimioterapia, que levou seus cabelos, deixou sua saúde frágil, mas de maneira alguma tirou a sua vontade de viver. Eu não sabia que ela lutava contra um câncer até dia desses, mas hoje ela veio me visitar e entre um sorriso largo e outro perguntei como ela se sentia e ela disse que estava feliz e forte. O lenço que envolvia sua cabeça não era capaz de maneira alguma de esconder o seu sorriso.

Anitta é elegante, simpática e sorridente. E eu já disse… Não sou sua amiga, mas eu gosto dela e quando a olho ou quando penso nela,  faço por ela o que ela me disse que queria, desejo que ela tenha muita vida, boa vida, da forma mais bela que ela sabe fazer… Com beleza, por dentro e por fora.

E eu desejo aprender sempre as duas coisas que Anitta ensina gratuitamente: Alegria e Força!
Viver é sempre melhor e independente das circunstâncias, escolha superar, escolha sorrir, vem de dentro para fora, não só a beleza dela, mas a que eu vejo nas pessoas.

Obrigada Anitta!

109 anos ou mais

216261_147023588698897_6441374_n

Tive a honra de nascer dotada desse espírito
Que comunga das alegrias e das tristezas do mundo
E se emociona com a energia que vem das pessoas
E encontra em tudo e todos o lado bom.

Eu tive a sorte de enxergar sorriso no meio da noite
E de brindar com a beleza que emana da vida.

Eu aprendi a dançar na chuva
E a cantar pra Lua
Eu aprendi a falar com as ruas
Que andam por mim como ando por elas.

Eu vejo as cores
Em cada dia e vejo ainda mais dias dentro de um só.
Não me aceito dentro dos meus 24 anos
Sendo em mim mais do que eu sou.

Eu tenho em mim
109 anos de histórias que não são minhas
Eu tive a sorte de sorrir até aqui
E esse anos não me pesam os ombros, mas me elevam os pés.

Flutuo entre universos que não pertenço
Mas como boa penetra, me sento à mesa, provo um drink e faço amigos
E se a vida for uma contagem regressiva
Eu tô pulando sobre os ponteiros.

Eu gasto o tempo que me gasta
E ainda não tem fim,
Nem meu tempo e nem esse texto
Porque são 109 anos ou mais que estão começando todos os dias.

Alice, Freud e José

Ela era apenas ela.
E o mundo novo se abriu sob seus pés.
Alice teve de crescer e ser pequena.
A situação pediu que fosse gente grande ou que soubesse lhe dar com sua pequinês em tamanho mundo.

Freud explique essa minha necessidade de falar sobre esse conflito de viver num limbo onde não se é grande o suficiente e nem tão pequeno assim.

Há um meio do caminho onde você ainda não pode caminhar só, mas não pode mais contar com a ajuda de alguém.

É esse ciclo astral ainda não completo antes dos 28 anos de idade. É esse mundo com um paradoxo temporal. Uma ampulheta que vira e desvira. Com e sem tempo. Muito e pouco. Suficiente e não o bastante.

José diz que ela é legal. Sabe conduzir as coisas e ainda lhe dá bom dia, mas José não sabe quem é Freud e nem deve ter ouvido falar de Alice. Ele abre os portões dos caminhos que eu faço e me saúda entre gorjetas e correspondências
É conveniente!

Alice cresceu… encolheu…
Brigou, com medo, mas enfrentou.
Esperavam que Alice conseguisse. E ela conseguiu. Foi por ela ou pelos outros?
Freud? O que me diz?

Um gato que sorri e desaparece também me deixa louca. Num mundo onde se caminha pelo desconhecido mesmo quando se sabe onde deve chegar.

O fim…
Que não justifica, mas transforma os meios.
Os meios que levam ao fim. Ou aos fins? Ou aos afins?
Quantas possibilidades eu tenho?
História escrita ou folha em branco?

José diria que tudo é o que é.
Freud acha que sou um animal dotado de razões imperfeitas e esses desejos que levam e trazem.
Alice não acha, não sabe, não entende… Vai…

E agora?
De Alice, Freud e José.

2015/01/img_8010.jpg

Evolução

A conclusão é que a evolução é muito rápida!

O homem pode ter passado 90 anos dentro de uma caverna, mas no primeiro dia que ele esteve sob a luz do sol, ele enxergou mil novas coisas. E em apenas um dia foram feitas mais descobertas do que em 90 anos.
A sabedoria muitas vezes demora a vir, mas se um dia ela chega, ela é rápida, ela desperta a curiosidade e o desejo de querer mais e mais.

Sim! Uma mente que se abre não volta mais ao seu tamanho original!
A prova de que você evoluiu é se dar conta e pensar “Como eu vivi até hoje sem saber disto?!”.
As descobertas nos transformam em um alguém novo e todos os dias somos modificados.

Portanto não importa o momento.

Quando tem que acontecer ou quando acontece as mudanças vão sacudir o seu mundo e colocar todas as suas idéias de ponta cabeça. Desconstruirão seu mundo velho e erguerão das cinzas um mundo completamente novo. E novos mundos sempre virão.

20140719-222529-80729900.jpg