SER.ei.de.SER


Amar foi igual capotar um carro em alta velocidade. Perder o controle, acelerar sem ter certeza do que fazia, Tomando consciência do perigo, e ainda assim, chegando mais perto da beira do precipício, repetindo para mim mesma que conseguiria, mas é aí que vem a queda, e eu caí de cabeça, tudo gira. O corpo dói, se contorce, uma dor física, real, empírica. 
Aos poucos tomei fôlego para tentar ficar de pé novamente, fui tentando andar e surge uma mão estendida, acreditei , levantei pra caminhar. Eu era a alegria de quem tem uma nova chance. A mão que se estendeu, me arremessou de volta pra quele buraco, só que dessa vez mais escuro, e no escuro tudo fica maior, a profundidade, a dor, o medo, mas eu caí.
Eu caí em pedaços.
E eu estou aqui, vou catar cada pedaço que sobrou de mim, Vou me compor.

Eu vou compor de novo, me REcompor, me reescrever e criar uma nova versão de mim. Eu vou ser um novo eu. E nesse novo eu que vou ser nem tudo será como antes. Nem tudo vai, SER. Nem tudo que um dia eu fui, eu voltarei a SER. 
Eu hei de ser, um novo eu.

Eu vou andar até que eu me encontre nas muitas que so(bro)u (d)eu.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s